Geoforense & Sociedade: 3 leituras essenciais para iniciantes

Adriel Filipe S. Brito

Mestrando em Geociências Forenses no Museu Nacional/UFRJ e Geólogo pela UFRJ (2019). Foi estagiário do Grupo de Apoio Técnico Especializado do MPRJ. Pesquisador na área de Geoconservação e Justiça Ambiental.

 

Frente às ameaças cada vez mais frequentes de atividades antrópicas na dinâmica terrestre, ligadas a uma perspectiva de conservação do meio ambiente, progressivamente ações judiciais despontam-se vinculadas a princípios da Geodiversidade, da Geoconservação e da Geoética.

 

 

Nesse cenário, indico três discussões levantadas nos últimos anos que tencionam ampliar e fortalecer o diálogo ainda tênue entre Geoforense e Sociedade, que busca alinhar à Justiça a conservação do patrimônio natural e todos seus aspectos abióticos e processos associados.

 

Primeira Indicação:


BRILHA, J.; GRAY, M.; PEREIRA, D.I.; PEREIRA, P. Geodiversity: An integrative review as a contribution to the sustainable management of the whole of nature. 2018.


Fundamentado a partir de um conjunto de valores e serviços ecossistêmicos essenciais ao equilíbrio ambiental, o artigo revisa o conceito de Geodiversidade e faz ligações com outros entendimentos, em prol de definir a contribuição do conhecimento geológico e da Geodiversidade na agenda global para o desenvolvimento sustentável.

 

Segunda Indicação:


RUCHKYS, U.D.A.; CASTRO, P.D.T.A.; RIBEIRO, S.M.C.; ALVARENGA, L.J. Applying geoethics to the context of mining ferruginous geosystems: Case studies from the tailing dam breaks in Fundão and Córrego do Feijão, Minas Gerais – Brazil. 2020.


Trazendo para o debate eventos recentes na história da mineração brasileira, e sem perder de vista uma correta assimilação de princípios geoéticos, o artigo busca empreender uma visão mais ampla acerca da Geoconservação, na direção de promover a garantia integral de todos os direitos difusos e coletivos, onde a melhor forma de atuação seja a preventiva e resolutiva.

 

Terceira Indicação:


Documentário Beachrock em Chamas – Direção: Raphael Kindlovits. 2017.


Tendo em vista que o conceito de patrimônio geológico ainda é pouco disseminado e não está diretamente integrado ao arcabouço legal brasileiro, o documentário aborda o conceito de rocha como patrimônio e questões sobre desenvolvimento sustentável, que certamente reforçam a relação entre a temática Geoforense e Sociedade.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

Veja Também

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: